unicamp.gif (2045 bytes)

   2.jpg (6677 bytes)

CÓDIGO: EL202 Turma C

NOME: Estrutura e Funcionamento do Sistema de Ensino - Educação e Sociedade

T________ P________HS________ CH_______ C 1o. semestre 2001

PROFESSORA RESPONSÁVEL: Ana Almeida

 

I. JUSTIFICATIVA

Esse curso está organizado para permitir o desenvolvimento de uma reflexão sobre o exercício da função de professor enquanto resultado do encontro entre duas histórias. Por um lado, a história incorporada na pessoa que assume a função, isto é, a história do profissional, das suas escolhas, das suas experiências. Uma história que expressa-se, no mais das vezes, nas suas crenças e descrenças. Um professor, nesse sentido, não é um ser humano genérico que asssumiu um emprego. É uma pessoa com nome e sobrenome, resultado de uma história específica e única.

Por outro lado, o exercício da função de professor é tributário também da história do sistema de ensino no qual cada profissional é chamado a atuar. Trata-se da história incorporada no próprio cargo, que é, ao mesmo tempo, a história do cargo específico e da instituição onde esse cargo será exercido. Um professor é alguém de quem espera-se determinados comportamentos e ações que fazem parte da definição do cargo que ocupa. São vários os elementos que participam da definição de um cargo. A maioria deles são implícitos e expressam-se no dia-a-dia através dos formulários que se deve preencher, das atividades que se espera desenvolvidas, dos horários a serem cumpridos, etc.

Parte importante da forma como é definido o que se espera dos professores deve-se à posição que cada escola ocupa num sistema de ensino específico. Como se sabe, não se espera a mesma coisa de um professor de escola pública localizada numa região pobre da cidade e de outro diretor que exerça o seu cargo numa escola localizada num bairro de classe média. Existem ainda diferenças entre escolas públicas e privadas, rurais e urbanas, etc. É a organização do sistema de ensino que permite ou não a ocorrência dessas diferenças. Sem dominar essa organização, um professor terá dificuldades para compreender as exigências, limites e possibilidades associados à sua atuação pelo fato dela estar vinculada a um cargo específico, numa escola específica.

A partir dessa forma de pensar o problema, propõe-se um curso que ofereça aos profissionais em formação os instrumentos necessários para que eles possam constituir-se como sujeitos da sua prática profissional. Os instrumentos necessários são aqueles que os ajudem a perceber as exigências do cargo como um arbitrário socialmente construído e não como uma norma que deve ser seguida. Trata-se, em outras palavras, de instrumentos de objetivação.

Nesse curso, será solicitado dos alunos um esforço de objetivação do seu ponto de vista, enquanto ex-alunos e futuros professores, sobre o sistema de ensino onde serão chamados a atuar. Trata-se de uma operação a ser desenvolvida em duas dimensões: (1) objetivação da relação do ex-aluno e futuro professor com o cargo de professor e (2) objetivação da sua relação com o sistema de ensino onde está inserido o cargo que ele futuramente irá ocupar.

Espera-se, ao final desse curso, que os alunos sejam capazes de desmistificar a idéia da existência de uma sala de aula única ou ideal, para a qual dispõe-se de um repertório consolidado de estratégias de ensino. Espera-se, além disso, que eles sejam capazes de questionar a organização do ensino brasileiro tal como ela se apresenta hoje.

 

II. OBJETIVOS

- Problematizar a relação entre educação e escolarização como um vínculo socialmente construído.

- Desenvolver, através da necessária fundamentação teórica, a compreensão da organização do sistema de ensino brasileiro, identificando os momentos de mudança e relacionando-os com as modificações na estrutura social do país.

- Analisar a organização e funcionamento do estabelecimento de ensino como o resultado da interação de pelo menos três elementos: a organização do sistema escolar, a estrutura social e, finalmente, o estatuto particular de cada escola (pública x privada, grau de ensino que atende, laica x religiosa, entre outros).

 

III. Conteúdo Programático

1) O pertencimento a uma cultura

a) Introdução ao conceito de cultura
b) A diferença cultural
i. Introdução à discussão sobre a diferença
ii. Em sociedades pouco estratificadas
iii. Em sociedades altamente estratificadas
c) A socialização

2) Educação como socialização: introdução aos conceitos básicos da teoria da educação como violência simbólica (Pierre Bourdieu)

    1. Ação pedagógica
    2. Autoridade pedagógica
    3. Trabalho pedagógico

3) Educação como escolarização

      1. A invenção da escola
      2. Sistema de ensino
      3. Autoridade escolar
      4. Trabalho escolar

4) O sistema de ensino brasileiro

    1. Conceitos básicos: segmentação, inclusão e progressividade
    2. A sistematização do ensino no Brasil
      1. A Construção do Estado Nacional Brasileiro
      2. O Sistema de Ensino e a campanha pela nacionalidade brasileira
    3. A complexificação da estrutura social brasileira e da estrutura de distribuição de diplomas (1940-1970)
    4. Crise econômica, sofisticação tecnológica e educação (1980-2000)
      1. Inclusão e progressividade do sistema de ensino
      2. Segmentação do sistema de ensino

5) O sistema de ensino e as trajetórias sociais.

 

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

O curso será desenvolvido na forma de aulas expositivas. Para cada aula expositiva, espera-se que um ou dois alunos façam uma curta apresentação do(s) texto(s) referente(s) à aula em questão.

 

IV. AVALIAÇÃO

A avaliação estará baseada na produção dos alunos. Será considerado:

- Apresentação de texto: 20 pontos

- Duas provas escritas: 40 (20 pontos cada uma)

- Trabalho final: relato de caráter autobiográfico sobre a experiência escolar do aluno a ser elaborado durante o semestre com a assistência da professora: 40 pontos

 

V. BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ACCARDO, Alain (1997), "Sina Escolar", in Pierre Bourdieu, A Miséria do Mundo, Petrópolis: Vozes (pp. 595-611).

AGUILAR, Luis Enrique (1994), Estado Desertor: Brasil e Argentina nos anos de 1982-1992, Tese de Doutorado, Unicamp.

ALMEIDA, Ana (1998), "Segmentação e Unificação do Sistema de Ensino: a interação entre os setores público e privado na produção da competência escolar", Texto apresentado na 21a. Reunião da ANPEd, setembro, Caxambu/MG.

ALMEIDA, Ana (1999), A Escola dos Dirigentes Paulistas, Tese de Doutorado/unicamp.

ALMEIDA, Ana (2000), "Ultrapassando o pai: herança cultural restrita e competência escolar", in Maria Alice Nogueira, Geraldo Romanelli, Nadir Zago (org.), Família e Escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares, Petrópolis: Vozes.

BASTIDE, Roger (1983), "Técnicas de repouso e de relaxamento: estudo transcultural", in queiroz, Maria Isaura Pereira de Queiroz (org.), Roger Bastide, São Paulo: Ática (pp. 88-112).

BOURDIEU, Pierre (1982) [1975], A Reprodução, Rio de Janeiro: Francisco Alves.

BOURDIEU, Pierre (1997), A Miséria do Mundo, São Paulo: Vozes.

BOURDIEU, Pierre (1999), "As Categorias do Entendimento Professoral", in Nogueira, Maria Alice e Catani, Afrânio (orgs.), Bourdieu: Escritos de Educação, Petrópolis: Vozes.

BOURDIEU, Pierre et BALAZS, Gabrielle (1997), "Desequilíbrio e Dilema", in Pierre Bourdieu, A Miséria do Mundo, Petrópolis: Vozes (pp. 247-254).

BRASIL, Ministério da Educação – Estatísticas

BROCHOLICHI, Sylvain (1997), "Um paraíso perdido", in A Miséria do Mundo, Petrópolis: Vozes (pp. 505-521).

CANÊDO, Letícia (1994), "A família, a escola e a questão educacional", Idéias, no. 23: 45-55.

ELIAS, Norbert (xxx), O Processo Civilizatório, xxx : capítulo xxx

FORTES, M. & EVANS-PRITCHARD (eds.) (1975), African Political Systems, London: Oxford University Press.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de (1984), A Ideologia do Livro Didático, São Paulo: Cortez.

GANDINI, Raquel (1992), "Notas sobre a constituição do Estado-Nação e a educação pública", Proposições, vol. 2 (8), São Paulo/Campinas: Cortez/Unicamp.

GIUBILEI, Sônia (1993), Trabalhando com adultos, formando professores, Tese de Doutorado, Unicamp.

GOODY, Jack (1983), The Development of the Family and Marriage in Europe, Cambridge: Cambridge University Press.

LARAIA, Roque (1993), Cultura, um conceito antropológico, Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

LOPES, R. M. (1983), "Socialização e Organização Familiar Rural", Cadernos Cedes, Campinas, no. 11: 42-49 (novembro).

MEAD, Margareth (1963), "Socialization and enculturation", Current Anthropology, no. 02: 184-187.

OLIVEN, Ruben George (1992), "O Nacional e o Regional na Construção da Identidade Brasileira", in A Parte e o Todo: a diversidade cultural no Brasil-Nação, pp. 31-45, Petrópolis: Vozes.

PEROSA, Graziela e ALMEIDA, Ana (1998), "Formação do professor e qualidade do ensino: uma relação não necessária", Proposições, 9.

RIBEIRO, Maria Luiza (1990), História da Educação Brasileira, a organização escolar, São Paulo: Cortez.

RIBEIRO, Sérgio (1991), "A pedagogia da repetência", Estudos Avançados, vol. 5 (12).

RIBEIRO, Sérgio (1993), "A Educação e a Inserção do Brasil na Modernidade", Cadernos de Pesquisa, no. 84: 63-82, fevereiro 1993.

ROMANELLI, Otaíza (1980), História da Educação no Brasil (1930-1973), Petrópolis: Vozes.

PAIVA, Vanilda (1990), "Um século de educação republicana", Proposições, vol. 1 (2), São Paulo/Campinas: Cortez/Unicamp.

PATTO, Maria Helena (1993), A Produção do Fracasso Escolar, São Paulo: T.A. Queiroz Editor.

RADCLIFFE-BROWN, A. R., FORDE, Daryll (1982) [1950], "Introdução", in Sistemas Políticos Africanos de Parentesco e Casamento, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian

SAVIANI, Dermerval (19xx), "Análise crítica da organização escolar brasileira através das leis 5540/68 e 5692/71", in GARCIA, Wagner (ed.), Educação Brasileira Contemporânea, São Paulo: MacGraw Hill.

SAVIANI, Dermerval (1997), A Nova Lei da Educação. LDB: Trajetória, limites e perspectivas, Campinas: Autores Associados (2a. ed. revista).

SCHWARTZMAN, Simon (1991), "Educação básica no Brasil: a agenda da modernidade", Estudos Avançados, vol. 5 (13): 49-60.

SCHWARTZMAN, Simon, BOUSQUET, H. M., COSTA, V. M. R. (1984), Tempos de Capanema, Rio de Janeiro e São Paulo: Paz e Terra e Edusp.

SOULIÉ, Charles (1997), "Um Sucesso Comprometedor", in Pierre Bourddieu, A Miséria do Mundo, Petrópolis: Vozes (pp. 613-619).

TEIXEIRA, Anísio (1935), Educação no Brasil,

UHLE, Agueda Bittencourt (1992), "Avaliação e Planejamento na Escola", Cadernos CEDES, Papirus.

_____, (1994) "Do Legítimo Direito de Punir", in Cecília Collares et al. Cultura e Saúde na Escola, São Paulo, FDE.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B. (1986), Araweté, os deuses canibais, Rio de Janeiro: Jorge Zahar/ANPOCS.

Filmes:

  • A Arca dos Zo’e
  • Ciranda, cirandinha
  • L’enfant sauvage

Leis e pareceres (Brasil):

Lei 4024/61 de 20/12/61
Lei 5540/68 de 28/11/68
Lei 5692/71
Lei 7044/82 de 19/10/82, Diário Oficial da União, seção I
LDB/1996 Parecer do Senador Darci Ribeiro/aprovado
Lei 9394/96 promulgada em 20/12/96 (revoga as leis 4024; 5540; 9192 de 21/12/95)
Lei 9424/96 - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério
Conselho Federal de Educação - Parecer 45/72 (Mínimo exigido nas habilitações profissionais)
Conselho Federal de Educação - Parecer 76/75
Conselho Estadual de Educação, São Paulo - Parecer 77/77
Constituição Federal 1988
Constituição Estadual 1989
Emenda Constitucional n.14/96

 


PAD  |  LITE  |  FAE  |  UNICAMP

web designer Andressa de Andrade
      Tainá-Rekã