unicamp.gif (2045 bytes)

PÁGINA INICIAL

SOBRE O GRUPO


CONGRESSOS

LIVROS

ARTIGOS

CAPÍTULOS DE LIVROS

TESES, DISSERTAÇÕES E TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

GRUPOS DE PESQUISA

LINKS INTERESSANTES

OUTROS


CONTATO

 

ARTIGOS EM PERIÓDICOS

- Publicações Nacionais

1. Cadernos de Pesquisa Fundação Carlos Chagas

CAMPOS, Maria Malta. "Educação Infantil: o debate e a pesquisa." Cadernos de Pesquisa, n° 101, pp. 113-117, jul. 1997

CORREA, Bianca Cristina. Considerações sobre qualidade na educação infantil. Caderno Pesquisa , no.119, p.85-112, 2003

KUHLMANN, Moysés J. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Resenha feita por Lívia Maria Fraga Vieira. Cadernos de Pesquisa, n° 105, pp. 184-190, nov, 1998

PENN, Helen. Primeira infância: a visão do Banco Mundial. Caderno Pesquisa, no.115, p.07-24, mar. 2002. ISSN 0100-1574.
Resumo: Este artigo examina a visão do Banco Mundial sobre a primeira infância como exemplo da globalização da infância. Argumenta que a globalização é caracterizada por um ponto de vista econômico neoliberal que exacerba a desigualdade entre nações ricas e pobres e entre ricos e pobres, dentro de cada país, bem como por um otimismo tecnológico-científico que enfatiza os benefícios das intervenções tecnológicas. O artigo mostra como esses dois aspectos da globalização influenciaram as políticas para crianças pequenas que o Banco Mundial vem promovendo ativamente. Recorre aos indícios apresentados pelo Banco Mundial para exemplificar as contradições inerentes a essa abordagem.


PIOTTO, Débora Cristina; CHAGURI, Ana Cecília, et al. Promoção da qualidade e avaliação na educação infantil: uma experiência. Cadernos de Pesquisa, n° 105, pp52-77, nov.1998

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, estado e políticas de educação infantil: history repeats. Caderno Pesquisa, no.115, p.25-63, mar. 2002.
Resumo: As políticas brasileiras de educação infantil (EI) nas últimas quatro décadas apresentam-se como resposta a várias tensões. Nos anos 70, o despertar dos novos movimentos sociais trouxe o tema para a agenda de suas reinvidicações. Nos anos 80, pressões em diferentes sentidos provocam, de um lado, a expansão da EI seguindo, de modo geral, um modelo "a baixo custo" e, de outro, a consciência social da EI como um direito das crianças pequenas à educação e um direito de assistência aos filhos de pais e mães trabalhadorares (Constituição de 1988). O artigo descreve e analisa as tensões presentes, e suas consequências, em três momentos da história da EI brasileira contemporânea: a fase de expansão durante o governo militar; as inovações trazidas pela Constituição de 1988; o impacto das reformas educacionais contemporâneas sob a égide do "Consenso de Washington". A descrição e análise desses momentos serão efetuadas no contexto dos  modelos propugnados pelas organizações multilaterais.

ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde, RAMON, Fabiola e SILVA, Ana Paula Soares. Políticas de atendimento à criança pequena nos países em desenvolvimento. Caderno Pesquisa, no.115, p.65-100, mar. 2002.
Resumo: Contínuas mudanças econôminas e culturais estão causando transformações no funcionamento das famílias e na educação das crianças pequenas em toda as camadas sociais. Essas transformações têm contribuído para o aumento da demanda e implementação de políticas de educação/cuidado infantil. Avanças políticos e legais têm ocorrido em vários países , nas últimas décadas. Esse processo configura-se sob formas diversas nos países desenvolvidos e nos em desenvolvimento. Naqueles e, em especial, nos países da Comunidade Européia, as justificativas para essas políticas fundamentam-se em um discurso pelos direitos da criança quanto ao acesso à educação e aos bens culturais, e pela igualdade de direitos e oportunidades de homens e mulheres. Já nos países em desenvolvimento, o discurso para ricos e pobres é bastante diferenciado, particularmente quando estabelece políticas para expansão do atendimento. Quando o alvo é a população pobre, negra e de zona rural, essas políticas se pautam por um discurso da necessidade de atender pobremente a pobreza, que transparece de maneira clara nos documentos do Banco Mundial. Neste artigo, propomo-nos a fazer uma reflexão crítica sobre as políticas para a infância nos países em desenvolvimento, tomando a América latina como estudo de caso. 

1.1. Cadernos de Pesquisa Fundação Carlos Chagas - Temas Sobre Infância

ALENCAR-MURTA, Heloisa Moulin de, ORTEGA, Antonio Carlos, CEZARIO, Alessandro Fazolo et al. O dever e a aspiração em crianças brasileiras. Cadernos de Pesquisa, no.114, p.153-177, nov. 2001.
ISSN 0100-1574.
Resumo: Este trabalho teve por objetivo investigar a caracterização do "erro educacional fundamental", com base na distinção entre a moralidade do dever e a da aspiração. Participaram como sujeitos 120 crianças da pré-escola e da 4ª série do ensino fundamental, de ambos os sexos e de diferentes classes sociais. Como instrumento de análise, foram utilizadas seis histórias: duas do domínio moral, duas do pró-social e duas do acadêmico. Foi feita análise das previsões das "reações dos professores" em relação aos personagens transgressores e cumpridores de uma norma e das "reações emocionais dos personagens transgressores". Os resultados evidenciam que houve diferença significativa nas respostas para "as reações dos professores", em relação à idade (domínio pró-social e acadêmico) e ao sexo (domínio acadêmico). Quanto à análise das "reações emocionais dos personagens transgressores", verificou-se que a idade influenciou expressivamente as respostas no domínio pró-social. Finalmente foram discutidas implicações teóricas e educacionais dos resultados.

KRAMER, Sonia. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças.Cadernos de Pesquisa, no.116, p.41-59, jul. 2002. ISSN 0100-1574.
Resumo: O texto analisa questões éticas enfrentadas na pesquisa com crianças de diferentes idades, grupos e contextos. Trata da concepção de infância subjacente às pesquisas em debate e analisa três questões. A primeira focaliza os nomes (verdadeiros ou fictícios) de crianças observadas ou entrevistadas e analisa se devem ou não ser explicitados na apresentação da pesquisa. A segunda discute a utilização de imagens de crianças -seus rostos -em especial. A autorização do uso de imagens ( em fotografias, vídeos ou filmes ). A terceira trata das implicações ou do impacto social de resultados de trabalhos científicos e pergunta se é possível contribuir e devolver os achados, evitando que as crianças ou jovens sofram com as repercussões desse retomo, no interior das instituições educacionais que freqüentam e que foram estudadas na pesquisa. Tais questões emergiram na orientação de monografias, dissertações e teses.

LA TAILLE, Yves de. Desenvolvimento moral: a polidez segundo as crianças. Cadernos de Pesquisa, no.114, p.89-119, nov. 2001. ISSN 0100-1574.
Resumo: Após termos apresentado reflexões sobre as relações entre as virtudes e a moral e entre polidez e o desenvolvimento moral, apresentamos quatro pesquisas empíricas com crianças de 6, 9 e 12 anos para responder às seguintes perguntas: 1) A polidez faz parte do universo moral da criança? 2) A polidez já é vista pela criança pequena na sua especificidade em relação às regras propriamente morais? Os dados mostram que: 1) a polidez pertence ao universo moral das crianças de 6 a 12 anos, mas com a peculiaridade de sua falta não merecer castigo; 2) que a falta de polidez é, para as crianças de 6 anos, um indício para se julgar o caráter moral de uma pessoa e deixa de sê-Io para as crianças de 12 anos, com uma fase de transição aos 9 anos e 3) que a falta de polidez é vista como conduta de uma certa gravidade nas três faixas etárias. Terminamos o texto com considerações teóricas que procuram mostrar a relevância de uma educação moral que não despreze a polidez.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes. Infância, televisão e publicidade: uma metodologia de pesquisa em construção. Cadernos de Pesquisa, no.116, p.81-105, Jul. 2002. ISSN 0100-1574.
Resumo: Este estudo tem como foco principal a relação estabelecida entre criança e publicidade televisiva. A perspectiva teórica e metodológica é baseada nas idéias de Walter Benjamin, Mikhail Bakhtin e Oliviero Toscani. O objetivo é entender o contexto social e cultural mais amplo no qual essa questão é mantida sob permanente tensão, em especial em razão de algumas mudanças que o marcam acentuadamente: a emergência de novos agrupamentos familiares que, por diferirem dos arranjos nucleares tradicionais, demandam um reordenamento das relações criança-adulto; a desterritorialização do capitalismo e sua concentração no consumo; a fragmentação da vida cotidiana; a construção de uma política de vídeo e a inversão sofrida nos âmbitos públicos e privados; o lugar central hoje ocupado pela mídia e a constatação de que há uma hegemonia das tecnologias eletrônicas e virtuais nos processos de comunicação, bem como a pulverização dos espaços de saber. Nesse contexto, os meios audiovisuais- entre eles a televisão -têm compartilhado cada vez mais com a família e com a escola sua função educativa, ocasionando para ambas um grande desconforto: faz-se necessário, mais do que nunca, repensar o lugar social que ocupam.

2. Cadernos Cedes

ARCE, Alessandra. O jogo e o desenvolvimento infantil na teoria da atividade e no pensamento educacional de Friedrich Froebel. Caderno Cedes, abr. 2004, vol.24, no.62, p.9-25. ISSN 0101-3262.
Resumo: Este artigo apresenta um estudo teórico comparativo da pedagogia desenvolvida por Friedrich Froebel e da teoria da atividade (Leontiev, Elkonin e Vigotski) no que diz respeito ao jogo e ao desenvolvimento infantil. Ainda que essas duas abordagens considerem o jogo uma atividade muito importante no desenvolvimento da criança, elas diferem em sua visão do que seja o significado do jogo no contexto do processo de formação do indivíduo. Essa divergência é uma conseqüência de suas opostas concepções acerca da relação entre a natureza humana e a história.

FARIA, Ana Lúcia G. (org). Grandes políticas para os pequenos. Cadernos Cedes. Campinas: Papirus, n.37, 1995.(publicada em 1996)

SCARPATO, Marta Thiago. Dança educativa: um fato em escolas de São Paulo. Cadernos Cedes, abr. 2001, vol.21, no.53, p.57-68. ISSN 0101-3262.
Resumo: A Dança Educativa, desenvolvida em escolas particulares de São Paulo, está inserida na Grade Curricular da Educação Infantil, fundamentada nas idéias convergentes de Rudolf Laban e Célestin Freinet. Os resultados apontam os progressos no desenvolvimento do educando: autonomia corporal e intelectual, socialização, cooperação, responsabilidade e avanço na aprendizagem. Questiona qual o estilo de dança mais apropriado na área da educação e ressalta a necessidade de professores habilitados para desenvolverem trabalhos similares.

2.1. Cadernos Cedes - Temas sobre Infância

BORGES, Paulo Humberto Porto. Sonhos e nomes: as crianças Guarani. Caderno Cedes, vol.22, no.56, p.53-62, Abr 2002. ISSN 0101-3262.
Resumo: Este artigo tem como objetivo discutir como os grupos indígenas Guarani internalizam seu reko porã ("bom modo de proceder") entre suas crianças e constroem seus conceitos de infância e trabalho, no intuito de formarem o chamado guarani ele, ou seja, o(a) guarani verdadeiro.

FARIA, Ana Lúcia Goulart De. Apresentação. Caderno Cedes, vol.22, no.56, p.5-5, Abr 2002. ISSN 0101-3262.
Resumo: Quem são as meninas? Este Caderno pretende, por intermédio de resultados de pesquisas, contar um pouco da vida das crianças do sexo feminino em idade escolar, na perspectiva da diferenciação socio-cultural, buscando também a superação das desigualdades. Afinal, tratar da questão feminina como tema transversal, como fazem os PCNs, parece-nos insuficiente (embora necessário... ).

FERNANDES, RENATA SIEIRO. Memórias de menina. Caderno Cedes, Abr 2002, vol.22, no.56, p.81-102. ISSN 0101-3262
Resumo: As narrativas de infância de três educadoras são o ponto de partida para discutir as relações dessas mulheres com aspectos de sua meninice, de sua experiência escolar, profissional, de maternidade e com o grupo social dos bairros em que cresceram e, posteriormente, os efeitos e as interferências dessas vivências em suas práticas educativas com crianças e jovens de baixo poder aquisitivo, freqüentadores de um projeto de educação não-formal.

FERREIRA, Antônio Gomes. Higiene e controle médico da infância e da escola. Caderno Cedes, vol. 23, n. 59, p.9 -24, abr. 2003.
Resumo: Partindo da análise das dissertações apresentadas pelos alunos da Escola Médico-Cirúrgica do Porto, desde 1837 até ao início do século XX, verificamos que para além do somar de teses sobre assuntos relativos à criança, nos últimos 25 anos do Oitocentos, aumentou a variedade dos aspectos abordados. De facto, aos temas tradicionais, que rondavam os momentos da gravidez, do parto e do pós-parto, tratados de modo mais actualizado, juntavam-se outros que se debruçavam sobre determinadas doenças infantis ou sobre instituições dedicadas à infância. Na transição do século XIX para o XX, a escolarização começava também a ser alvo do discurso higienista. Contudo ele não se detinha somente nas condições ambientais da escola, ele pretendia intervir no domínio pedagógico considerando que a pedagogia científica que se estava a construir não se podia consumar sem assentar na fundamentação do saber médico.

LEITE, MARIA ISABEL FERRAZ PEREIRA. Brincadeiras de menina na escola e na rua: reflexões da pesquisa no campo. Caderno Cedes, Abr 2002, vol.22, no.56, p.63-80. ISSN 0101-3262.
Resumo: A partir de relatos de vida de mulheres e da observação e relação direta com crianças do campo, o texto traz alguns pontos sobre as questões de gênero na área rural, em especial, o papel do jogo e da brincadeira na vida dos sujeitos que lá habitam.

ROCHA, Heloísa Helena Pimenta. Educação escolar e higienização da inf'ancia. Caderno Cedes, vol.23,n. 59, p. 39- 56, abr.2003.
Resumo: Este artigo analisa o modelo de educação sanitária formulado no interior da ampla campanha de regeneração física, intelectual e moral a que se lançou o Instituto de Hygiene de São Paulo, instituição criada em 1918, em cooperação com a Junta Internacional de Saúde da Fundação Rockefeller. Busca compreender as representações sobre a infância e as práticas por meio das quais os médicos-higienistas paulistas procuraram intervir sobre os corpos e as mentes das crianças. Para tanto, toma como fontes documentos produzidos no âmbito do Departamento de Higiene Escolar do Instituto, conferindo especial atenção àqueles que permitem apreender o papel atribuído à escola primária na obra de disciplinamento e conformação da infância aos imperativos da racionalidade higiênica.

SILVA, Maurício Roberto Da. Recortando e colando as imagens da vida cotidiana do trabalho e da cultura lúdica das meninas-mulheres e das mulheres-meninas da Zona da Mata Canavieira Pernambucana. Caderno Cedes, vol.22, no.56, p.23-52, Abr 2002. ISSN 0101-3262.
Resumo: Este texto trata de diversos aspectos macro e microssociais da vida cotidiana das meninas-mulheres e das mulheres-meninas da Zona na Mata Canavieira Pernambucana. Procura mostrar, por um lado, a alienação e o conformismo que se expressam na dura e perversa vida de trabalho precoce, dupla jornada de trabalho e trabalho doméstico dessas meninas e mulheres. Por outro lado, valoriza outros aspectos relacionados à transgressão e resistência da cultura lúdica construídas em surdina na vida cotidiana, para além da alienação e do conformismo, a saber: o lazer/lúdico construído à revelia do sistema patriarcal e do projeto de estranhamento do trabalho capitalista no mundo rural.

3. Gênero

3.1 Cadernos Pagu

Educação, raça e gênero. Campinas: Cadernos Pagu - Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, (6/7) 1995 (publicado em1996)

Gênero, narrativas, memória. Campinas: Cadernos Pagu - Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, (8/9) 1997

BESSA, Karla Adriana Martins (org). Trajetórias do gênero, masculinidade ... Campinas: Cadernos Pagu - Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, (11) 1998

4. Educação e Pesquisa

BRITES, Olga. Crianças de revistas (1930/1950). Educ. Pesqui., vol.26, no.1, p.161-176, jan./jun. 2000.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedos e materiais pedagógicos nas escolas infantis. Educ. Pesqui., vol.27, no.2, p.229-245, jul./dec. 2001.

VEIGA, Cynthia Greive e GOUVEA, Maria Cristina Soares. Comemorar a infância, celebrar qual criança? Festejos comemorativos nas primeiras décadas republicanas. Educ. Pesqui., vol.26, no.1, p.135-160, jan./jun. 2000.

5. Motrivivência

SILVA, Maurício Roberto da.(editor). O jogo e o brinquedo na Educação Física. Motrivivência Florianópolis: Editora da UFSC. n° 9, ano VIII, 1996.

6. Perspectiva

PIACENTINI, Telma Anita (org.). A modernidade, a Infância e o Brincar. Perspectiva. Florianópolis: Editora da UFSC. N.22, ano 12, ago-dez, 1994.(publicada em 1997)

ROCHA, Eloísa A.C. Infância e Pedagogia: dimensões de uma intrincada relação. Perspectiva: Florianópolis, 1998

7. Revista Brasileira de Educação - ANPEd

CAMPOS, Maria Malta. Notas de leitura: TONUCCI, Francesco. La ciudad de los ninõs: un modo nuevo de pensar la ciudad. Buenos aires, Losada/UNICEF, 1996. Tradução de Roberto Roschella, do original italiano La città dei bambini. Revista Brasileira de Educação ANPEd. São Paulo, n° 4, p.104, 1997.

Parecer da ANPEd sobre o documento Referêncial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Revista Brasileira de Educação ANPEd. São Paulo, n° 7, pg 89, 1998

8. Revista Criança

Único periódico brasileiro específico de Educação Infantil, publicado pela Secretaria de Educação Fundamental do MEC.
Coordenação de Edição: Monique Deheinzelin
Endereço para correspondência:
Coordenação Geral de Educação Infantil
Esplanada dos Ministérios, Bloco L, sala 630 CEP 70047-900 - Brasília - DF
Fax: (061) 223-5319 E-mail coedi@sef.mec.gov.br

9. Revista do Professor

Publicação trimestral. Porto Alegre: Editora CPOEC. Todos os números dessa revista apresentam um artigo sobre Educação Infantil

10. Revista Educação & Sociedade

ARCE, ALESSANDRA. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educ. Soc., vol.22, no.74, p.251-283, abr. 2001.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Educ. Soc., vol.18, no.59, p.398-404, ago. 1997.(resenha)

CAMPOS, Maria Malta. "A formação de professores para crianças de 0 a 6 anos: modelos em debate". Revista Educação & Sociedade, Campinas, n°68, pp126-142, dez 1999

CERISARA, Ana Beatriz. O Referencial curricular nacional para a educação infantil no contexto das reformas. Educ. Soc., vol.23, no.80, p.326-345, set. 2002.

DELGADO, Ana Cristina C. A construção de uma alternativa curricular para pré-escola: a experiência deo NEI Canto da Lagoa. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 63, pp.126-152, ago,1998.

DIAS, Lara Simone. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Educ. Soc., vol.25, no.86, p.206-262, abr. 2004. (resenha)

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. "A contribuição dos parques infantis de Mario de Andrade para construção de uma Pedagogia da Educação Infantil". Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 69, pp 60- 91, dez 1999

FUSARI, Andrea. As crianças e os direitos de cidadania: a cidade como comunidade educadora. Educ. Soc., vol.23, no.78, p.257-264, abr. 2002.

GODOI, Elisandra Girardelli. Avaliando a pré-escola: uma trajetória de formação de professoras. Educ. Soc., vol.24, no.82, p.327-330, abr. 2003.(resenha)

GUIMARAES, Daniela de Oliveira e LEITE, Maria Isabel Ferraz Pereira. Manual de educação infantil de 0 a 3 anos: uma abordagem reflexiva. Educ. Soc., vol.22, no.75, p.307-311, ago. 2001. (resenha)

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. "O primeiro jardim de infância público do estado de São Paulo e a pedagogia froebeliana." Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 56, pp. 452-475, dez 1996

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. "Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação." Resenha feita por Maria Carmen Barbosa. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 59, pp. 398-404, ago., 1997.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. "Brinquedo e brincadeira na educação infantil japonesa: Proposta Curricular dos anos 90"  Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 60, pp. 64-88, dez., 1997.

KISHIMOTO, Tizuko M. "Política de formação profissional para educação infantil: Pedagogia e Normal Superior". Revista Educação & Sociedade, Campinas, n°68, pp 61- 79, dez 1999

KRAMER, Sônia, LEITE, Maria Isabel. "Infância: fios e desafios da pesquisa." Resenha feita por Ana Lúcia Goulart de Faria e Jucirema Quinteiro. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 56, pp. 578-583, dez 1996

KUHLMANN Jr, Moisés. "Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Resenha feita por Magali dos Reis. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n°69, pp.209-211, dez 1999.

LEITE, Maria Isabel e KRAMER, Sonia. Memória, educação e cidadania - Tecendo o cotidiano de creches e pré-escolas em Itupeva-SP. Educ. Soc., vol.18, no.59, p.396-397, ago. 1997. (resenhas)

MARTINS, Raul Aragão. "Concepção de roubos em pré-escolares." Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 59, pp. 351-366, ago., 1997.

MELLO, Maria Aparecida. A educadora de creche: construindo suas identidades. Educ. Soc., vol.25, no.86, p.255-259, abr. 2004. (resenha)

PARK, Margareth Brandini. "Memória, educação e cidadania: tecendo o cotidiano de crches e pré-escolas em Itupeva - SP". Resenha feita por Maria Isabel Leite e Sônia Kramer. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 59, pp. 396-397, ago., 1997.

REIS, Magali dos. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Educ. Soc., vol.20, no.69, p.209-211, dez. 1999.

RIBEIRO, Cláudia."A fala da criança sobre sexualidade humana: o dito, o explícito e o oculto". Resenha feita por Elizabete Franco Cruz. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 58, pp. 208-212, abr. 1997.

SOUZA,  Solange Jobim. "Infância e linguagem: Bakhtin, Vygostky e Benjamim." Resenha feita por Marilene Sinder. Revista Educação & Sociedade, Campinas, n° 63, pp177-179, ago, 1998.

Formação  de Profissionais da Educação: Políticas e Tendências. Revista Educação & Sociedade (número especial), Campinas, 1999

11. Revista Pro-Posições

PRO-POSIÇÕES. Campinas: Faculdade de Educação - UNICAMP. Vol.7, n.3 (21). Nov.1996. Número temático sobre Educação Infantil, apresentando quatro resenhas de livros sobre infância e artigos de: Fúlvia Rosemberg, Gisela Wajskop, Isabel A Marques, Lenira Haddad e Moysés Kuhlmann Júnior.

ABRAMOWICZ, Anete. O direito das crianças à educação infantil. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

ALMEIDA, Célia Maria De Castro. A representação de espaço e tempo no desenho da criança. Revista Pro-posições, n. 01, p.39-52, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP .mar/1990.

ÁVILA, Maria José Figueiredo. Educação infantil pós LDB: Rumos e desafios. Pro-posições, n. 28. São Paulo, Ed.Cortez/UNlCAMP- mar/1999.

BARBOSA, Maria Carmen .Educação infantil na Itália: 4 publicações da Editora Artes Médicas. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p. 195-197, São Paulo, Ed.Cortez/UNlCAMP- mar/1999.

BUJES ,Maria Isabel Edelweis. Governando a subjetividade: a constituição do sujeito infantil no RCN/EI. Pro-posições, Vol. 13 n.1 (37), p.163-175, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP .-jan/abr. 2002.

CARDONA, Maria João. O espaço e o tempo no jardim de infância. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.132-138, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP - mar/1999.

CRUZ, Elizabete Franco. Educação sexula e educação infantil nos relatos de profissionais que trabalham com a formação de educadoras de creche/pré-escola. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

FARIA, Ana Lúcia Goulart De. Origens da rede pública municipal de educação infantil na cidade de São Paulo. Pro-posições, n.17, p.34-45, São Paulo, Ed. Cortez/UNlCAMP ju1/1995 .

FINCO, Daniele. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

FORD, Raywen. Apreciação do artesanato e educação infantil. Pro-posições, vol.10, n. 3 (30), p.84-93, São Paulo, Ed.Cortez/UNlCAMP -nov/1999.

GOBBI, Márcia. Lápis vermelho é de mulherzinha. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.139-156, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP- mar/1999.

GODOI, Elisandra Giraldelli , (GANDINI, Leila E. Edwards Carolyn -Org). Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. Pro-posições, Vol. 14 n.2 (41), p.225 - 230 -São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP, mai/ago 2003.

GOHN, Maria Da Glória Marcondes. Educação Infantil: Do Departamento Nacional da Criança ao Projeto Jorje Hage. Pro-posições, vol.3,n. 2(8), p.66-79, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP - jul/1992.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A pré-escola na república. Pro-posições, n. 03, p. 55-66, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP .-dez/1990.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a educação infantil. Pro-posições, n.17, p.46-63, São Paulo, Ed. Cortez / UNlCAMP -jul/1995.

KRAMER, Sônia Propostas pedagógicas ou curriculares de educação infantil. Pro-posições, Vol 13 n.2 (38), p.65-82, São Paulo- Ed.Cortez/UNICAMP - mai/ago. 2002. · GOBBI, Márcia. Crianças nos parques: imagens de infância. Pro-posições, Vol. 13 n.2 (38), p.143-158, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP .-mai/ ago. 2002.

LEME, Fernanda De Lucca. A pesquisa em educação infantil no Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia. Pro-posições, Vol. 13 n.1 (37), p. 212-215, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP. Jan/Abr 2002.

MANTOVANI, Susanna e PERANI, Rita Montoli. Uma profissão a ser inventada: o educador da primeira infância. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.75-98, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP - mar/1999.

MELLO, Suely Amaral. Algumas implicações pedagógicas da escola de Vygotsky para a educação infantil. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.16-27, São Paulo, Ed. Cortez/ UNICAMP- mar/ 1999.

PALMEN, Sueli Helena de Camargo. Educação Infantil: construindo o presente (MIEIB. Movimentos Interfóruns de Educação Infantil. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2002, 200p.). Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

PRADO, Patricia Dias. As crianças pequeninas produzem cultura? Considerações sobre educação e cultura infantil em creche. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.110-118, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP- mar/1999.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. As pesquisas sobre educação infantil no Brasil: a trajetória da ANPED (1990-1996). Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.54-74, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- mar/1999.

ROSEMBERG, Fulvia G. Sísifo e a educação infantil brasileira. Pro-posições, Vol. 14 n.1 (40), p.177-194, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP - jan/abr. 2003.

SILVA, Anamaria Santana Da. Educação e assistência: direitos de uma mesma criança. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.40-53, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP- mar/1999.

SILVA, Anamaria Santana Da. A procura da dimensão perdida: uma escola de infância de Reggio Emília (Giordana Rabitti). Pro-posições, Vol. 13 n.3 (39), p. ,São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP - set/dez. 2002.

SILVA, Silvia Maria Cintra Da. O professor de educação infantil e o desenho da criança. Pro-posições, vol.10, n. 3 (30), p.67-75, São Paulo, Ed.Cortez/ UNICAMP -nov/1999.

VIEIRA, Livia Maria Fraga .A formação profissional da educação infantil no Brasil no contexto da legislação, das políticas e da realidade do atendimento. Pro-posições, vol.10, n.1(28), p.28-39, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP- mar/1999.

VIEIRA, Sergio Lontra. Telas que ensinam: mídia e aprendizagem. Do cinema ao computador (PFROMM Neto, Samuel. Campinas: Editora Alínea, 2001. 2ª. Ed., 225p.). Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

WADA, Maria José Figueiredo Ávila. A professora da creche: a docência e o gênero feminino na educação infantil. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

11.1. Revista Pro-Posições - Temas sobre Infância

ASBAHR, Melissa Cristina Correa e FERREIRA, Norma Sandra De Almeida . Livros de auto-ajuda para crianças: uma coleção. Pro-posições, Vol. 13 n.l (37), p. 186-199, São Paulo, Ed.Cortez/UNlCAMP .Jan/Abr 2002.

CIPOLLONE, Laura. Diferença sexual, dimensão interpessoal e afetividade nos contextos educacionais para a infância. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

GUIZZO, Bianca Salazar. FELIPE, Jane. Erotização dos corpos infantis na sociedade de consumo. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

LEITE, Maria Isabel Ferraz Pereira. Repensando a escola -com a palavra: a criança da área rural. Pro-posições, Vol. 13 n.1 (37),p. 176-185, São Paulo, Ed.Cortez/UNICAMP .Jan/ Abr 2002.

SAYÃO, Deborah Thomé. Pequenos homens, pequenas mulheres? Meninos, meninas? Algumas questões para pensar as relações entre gênero e infância. Pro-posições, vol.14, n.3 (42), p. 13-24, São Paulo, Ed.Cortez / UNICAMP- set./dez. 2003.

12. Pátio - Revista Pedagógica

PÁTIO - Ano 2 - n° 7 NOV 1998/ JAN 1999 - Título: Educação Infantil
Editora Artes Médicas Sul, LTDA.
Coordenação de Edição : Lourdes Atié
Endereço para correspondência:
Avenida Jerônimo de Ornelas, 670
90040-340 - Porto Alegre, RS
Fone: (051) 330 3444      Fax: (051) 330 2378
E-mail: artmed@pro.via-rs.com.br

13. Revista de Educação

É uma publicação do Sindicato dos Professores de Campinas e Região (Sinpro)- Filiado à CUT - Fepesp e Contee - Av. Profª Ana Maria Silvestre Adade, n° 100- Parque da Universidades - Campinas - S.P.- CEP: 13086-130
Fone/Fax: (019)256 5022

GODOI, Elisandra Girardelli. Uma Reflexão Sobre a Avaliação Escolar na Pré-Escola. Campinas: Revista de Educação, pp11,  março de 1999

14. Revista Online Biblioteca Professor Joel Martins

PALMEN, Sueli Helena De Camargo. O imprevisto no espaço da educação infantil. Rev. online Bibl. Prof. Joel Martins -v.2 -n.2 -fev. 2001. ISSN: 1517-3992

SILVA, Karina Cristina. Estilo de aprendizagem e o jogo na pré-escola. Rev. online Bibl. Prof. Joel Martins -v.2 -n.2 -fev. 2001. ISSN:1517-3992.

14.1. Revista Online Biblioteca Professor Joel Martins - Temas sobre Infância

ARAÚJO, Ulisses F. O ambiente escolar cooperativo e a construção do juízo moral infantil: sete anos de estudo longitudinal. Rev. online Bibl. Prof. Joel Martins -v.2 -n.2 -fev. 2001. ISSN: 1517-3992.

 

- Publicações Internacionais

1- Itália

1.1. Bambini

BAMBINI.
Bergamo: Edizioni Junior.
Fundada por: Loris Malaguzzi
Comitê de Direção: Fiorenzo Alfireri, Battista Quinto Borgui, Laura Cipollone, Annalia Galardini, Mario Maviglia, Franca Mazzolli, Elio Raviolo, Carlina Rinaldi, Nice Terzi, Lucia Trevisan, Giovanna Zunino.

1.2. Infanzia

INFANZIA.
Firenze: La Nuova Italia Editrice.
Diretor responsável: Piero Bertolini
Co-diretor: Franco Frabboni
Direção e redação sediadas em Bologna

A revista n° 7, de março de 1998, tem como conteúdo uma proposta, da redação de Infanzia, de orientações nacionais para as creches italianas.

1.3. Manual del CIAF

CIAF- Centro per infanzia, l'adolescenza e la famiglia.
Via del formacione - 51100 - Pistoia - Tel: 0573/451258
http://www.comune.pistoia.it          E-mail: ceside@comune.pistoia.it 

BELLI, Fina , BENVENUTI, Carlotta  et al. A tavola con un bambino. Pistoia: I Manual del CIAF, n° 2.

MANTOVANI, Susanna, Quando arriva un bambino. Pistoia: I Manual del CIAF, n°1.

2- Portugal

2.1. Cadernos de Educação de Infância

Editora e proprietária: Associação dos Profissionais de Educação de Infância (APEI).
Diretora: Presidente da APEI Maria João Cardona.
Endereço: Campo Pequeno,  n° 50 - 1° Esq. -1000-081 - Lisboa
Telf: (01) 796 2991 - Fax: (01) 796 2993
Publicação Trimestral

ANDRADE,  Paula F. Cabral de. Envolvimento Parental em jardim de infância. Lisboa: Cadernos de Educação de Infância, n° 50 (abr, mai, jun), pp 29 - 32 , 1999.

PRADO, Patrícia. Dar voz e ouvidos às crianças pequenininhas - a dimensão brincalhona em cena! Lisboa: Cadernos de Educação de Infância,   n° 49 (jan, fev, mar), pp 39, 1999

SOARES, Lúcia Maria Vidal. De pequenino... ou da necessidade de sensibilizar os educadores do Pré-escolar para a Educação Intercultural. Lisboa: Cadernos de Educação de Infância, n° 50 (abr, mai, jun), pp 28, 1999

2.2. Inovação

Revista do Instituto de Inovação Educacional e Ministério da Educação
Director: Bártolo Paiva Campos
Periodicidade: quadrimestral

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Inovação, vol 10, n° 1, 1997

2.3. Noesis

Revista do Instituto de Inovação   Educacional e Ministério da Educação
Director: Bártolo Paiva Campos
Trav.Terras de Sant'Ana, 15 - 1200 Lisboa
Telef: (01) 389 51 00 - Fax: (01) 389 52 99
Info@iie.me.mailpac.pt
Periodicidade: Trimestral

CARDONA, Maria João. Educação pré-escolar ou educação de infância? Noesis, pp 16, julho/setembro, 1997

LARANJO, Maria Teresa e JESUS, Maria Manuela. Educação pré-escolar itinerante no algarve. Noesis, pp11, abr/jun, 1997

2- França

2.1. Revue Française de Pédagogie

PLAISANE, E & RAYNA S. L'education préscolaire aujord'hui: réalités, questions et perspectives. Revue Française de Pédagogie. Institut Nacional de Recherche Pédagogique. Nº 119, pp107-139, abril/maio/junho,1997

___________________________________________________________________

LITE  |  FAE  |  UNICAMP